domingo, 14 de junho de 2015

Orgulho

Eu sou socióloga, não sei se já disse. Estudo ou tento estudar cenas. Recolher informação, tratar, analisar, interpretar, concluir e avaliar. Uma carga de trabalhos. Não é que não goste, porque gosto mas, a verdade é que a minha natureza exige-me algo mais do que o computador e o papel. Talvez por isso, de quando em vez, liberto-me a carregar baias, a afixar faixas, a montar uma ínfima parte da logística de eventos desportivos. Com colegas de quem gosto muito, o trabalho passa a prazer. Apesar de duro e desgastante, tem o seu quê de emocionante. Planear e programar uma iniciativa para 7000 ou 10000 pessoas é qualquer coisa de fascinante. Tenho uma profunda admiração e orgulho pelo trabalho que aquela equipa desenvolve. E isto tudo para dizer que é engraçado ter este olhar dos bastidores. Quando fiz a meia-maratona distraí-me parte do percurso a analisar. A ver como estavam assinalados os pontos quilométricos, a avaliar a qualidade dos abastecimentos, a procurar os caixotes do lixo, a verificar como eram eliminadas as tampas e as garrafas deitadas ao chão, a armazenar boas práticas para partilhar. A música, a animação, a segurança... Tudo o que normalmente ninguém repara quando se está em prova. 
Ontem, fiz a minha primeira corrida em minha casa- Oeiras. Não trabalhei e fui correr. Lá os vi, quais forminguinhas, a tratar de tudo. A assegurar que depois do tiro dado, a festa acontece. E aconteceu. A Marginal à Noite é uma prova de uma beleza sem igual. A estrada rodeada por água iluminada pela lua bastariam para que fosse um marco inigualável. Mas não é só. Não dá para explicar. É muito bonita e os meus colegas estão de parabéns. Não sei se é o meu olhar de socióloga, se a minha experiência em provas desportivas (a trabalhar e a correr), se a minha admiração e amizade por eles. Só sei que gostei muito. 


Semana #10
Número de corridas-2 (eu sei...)
Corridas acumuladas- 33
Quilómetros realizados- 18 (mas foram rápidos...)
Quilómetros acumulados- 257,5
Sentimento geral- orgulho.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

domingo, 7 de junho de 2015

Corri

Mais ou menos tudo influencia o nosso desempenho. A nossa cabeça, sem margem de dúvida. O nosso sono. O humor. Uma constipação, uma dor de dentes, o vento, o sol. Pedras a mais, piso irregular, estrada monótona, calças quentes. Basicamente, se permitirmos, tudo pode determinar se vamos cansados ou leves na velocidade. Se vamos com dor ou com prazer. Esta semana tive muitas desculpas para ficar em casa e não me atrever a mais esforços. Trabalho intenso, noites em branco- dolorosas-, compromissos imensos e uma ginástica de tempo equiparável a uma gestão de topo. Ainda assim, reuni forças. Obriguei-me a ignorar as dificuldades e fui. Essas- as dificuldades- desvaneceram-se. Perderam sentido. Matei saudades nos sonhos, iluminei-me ao vê-lo pequeno e tão grande, emocionei-me a cantar de olhos fechados, ri-me como sempre com ela, descansei pelo conforto que consegui dar. Peguei ao colo, recebi beijos, abracei e fui abraçada. Não foi uma semana espectacular. Mas foi uma semana com altos que compensaram baixos. Não corri que nem uma louca mas corri. 

Semana #9
Número de corridas-4
Corridas acumuladas- 31
Quilómetros realizados- 30
Quilómetros acumulados- 239,5
Sentimento geral- tudo bem.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Mimis...

Um blog de corrida, na verdade, tem pouca piada. Para mim, entenda-se. Partilhar ritmos, desafios, conquistas ou dificuldades é legitimo, sim, mas é só isso. É só corrida quando a corrida não é só corrida. Talvez para alguns seja. Focados, disciplinados, profissionais. Para quem, como eu, leva isto com uma dose de ousadia e muita loucura, corrida é muito mais. São as histórias à volta das pernas que se mexem. São as pessoas que mecanicamente teimam em colocar um pé à frente do outro. Quando comecei a correr (comecei por andar, claro está) fi-lo, nomeadamente, com a minha amiga Rita vulgo, a minha cara metade no feminino. A minha amiga de sempre e para sempre. Ela a falar ininterruptamente e eu a ouvir, muda. De quando em vez, dizia um "sim" ou um "não" só para que percebesse que estava viva. Saíamos na noite escura e invariavelmente corríamos junto ao mar. Terminávamos renovadas e absolutamente felizes. Guardamos para nós cenas de fazer chorar um condenado no corredor da morte. A rir também me tirou do chão na única queda que dei na vida que me valeu uma paragem de meses entediados por sessões de fisioterapia. Não há como explicar o bem que os monólogos me fizeram. Só eu sei. O bem que representou aquele dia em que terminámos com os pés quentes dentro da água gelada. Como ficará para sempre o treino  que culminou com a nossa roupa na areia e o corpo no mar negro. Ou a vez que decidimos não correr e nos agarrámos a tostas de frango. Não me lembro de um único marco desportivo partilhado. Nenhum tempo especial, nenhuma distância particular, nenhum feito digno de nota. Lembro-me das nossas coisas. Das nossas cenas. Só nossas. Isto para mim é corrida.

[e que bem soube]